jrbuchler@uol.com.br
Agende sua consulta, ligue(11) 5081-7216
Como a hipertensão aumenta  o risco de derrame?

A pressão alta, também conhecida como hipertensão, é o fator de risco mais importante para derrame.

Como a hipertensão aumenta o risco de derrame?

O dano causado pela hipertensão ocorre ao longo do tempo e geralmente é diagnosticado apenas quando danos consideráveis já ocorreram nos vasos sanguíneos do corpo. A pressão alta agride continuamente as paredes dos vasos sanguíneos, provocando desgaste e lesões. Uma vez que os vasos sanguíneos enfraquecem e diminuem a capacidade de dilatar, eles têm maiores chances de serem bloqueados.

Isso pode levar a um derrame isquêmico e a hipertensão é a causa mais importante desse tipo de derrame e também ataques isquêmicos transitórios. Com menos frequência, a hipertensão está implicada em derrames hemorrágicos quando um vaso sanguíneo no cérebro explode e o sangue vaza para o cérebro.

A pressão arterial é a força que o sangue exerce contra as paredes das artérias.
Pressão arterial alta é definida como pressão sistólica acima de 140 mmHg e / ou pressão arterial diastólica acima de 90 mmHg. Pressão arterial sistólica é a pressão máxima nas artérias quando o coração se contrai. Pressão arterial diastólica é a pressão mínima nas artérias entre as contrações do coração.

Você será classificado como hipertenso se a sua pressão estiver consistentemente acima de 140/90 mmHg.

Se você tem hipertensão, é improvável que tenha algum sintoma óbvio por um longo tempo. Os sintomas associados à hipertensão incluem cansaço, confusão, alterações da visão, dor no peito semelhante a angina, insuficiência cardíaca, sangue na urina, sangramento nasal, batimentos cardíacos irregulares, ruído no ouvido ou zumbido.

Mas a hipertensão pode ser controlada com sucesso. É importante que você tenha sua pressão arterial regularmente controlada e busque orientação médica.

Fonte: /www.world-heart-federation.org

Adicionar Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campo obrigatório *